Blog do Prof. Francisco de Assis Sousa

Por dentro da caatinga: o umbuzeiro - a árvore do sertão. Veja fotos!


Foto: Rosa MeloO umbuzeiro em floração.
O umbuzeiro em floração.

Por Francisco de Assis Sousa

Antes mesmo da chegada das primeiras águas, com os galhos ainda nus, o umbuzeiro já apresenta as primeiras flores, e o sertanejo com um sorriso no rosto, diz: “O imbuzeiro tá fulorando. É sinal de bom inverno”, e assim aquece a esperança de plantar sua rocinha, ver os açudes encherem e a pastagem crescer. Com a formação dos primeiros frutos, a molecada se arrisca e sobe até a copa da árvore para pescar os imbuzinhos ainda verdes. Outros se contentam em ficar embaixo e derrubá-los usando uma vara de marmeleiro.

Da família das Anacardiáceas, Spondias tuberosa, o umbuzeiro é uma árvore baixa, esparramada, com tronco atrofiado em relação ao tamanho da copa. Possui raízes longas, espraiadas, mais ou menos superficiais, intumescências redondas com reservas d’agua. A frutificação, que se verifica no início das chuvas, é geralmente abundante. Além de ser consumida pelas pessoas, com ela se faz geleia, doce e imbuzada – umbu cosido, misturado com leite e açúcar -, prato bastante apreciado pelo sertanejo. É uma das fontes de vitamina C que dispõe os habitantes do semiárido. O umbu maduro compõe-se de 14,5 mgs de ácido ascórbico por 100 cc, ao passo que o verde acusa 33,3.

Foto: Prof. Francisco de Assis SousaOs umbuzeiros estão carregados.
Os umbuzeiros estão carregados.

 “Pra onde vai minino?”, grita a mãe. “Tirar imbu”, responde o garoto. “Quando chegar lá, olhe bem para o chão. Cuidado com as cobra. Elas fica no oco do imbuzeiro, onde vocês bota os pé; nos buraco que os peba cava, ou fica caminhano entre os bagaço”, complementa.  “Tenha cuidado! As cascavel e as jararaca é a mais que anda”. No momento da chuva, o sertanejo não recomenda que as pessoas se protejam debaixo do umbuzeiro, pois é vulnerável ao corisco – descarga elétrica expelida pelos relâmpagos.

Foto: Prof. Francisco de Assis SousaUmbús maduros se alastram pelo chão.
Umbus maduros se alastram pelo chão.

O estágio do fruto mais apreciado pelos consumidores é o intermediário, popularmente batizado de inchado. Nesse estado, o fruto se apresenta em volume considerável, antes de chegar ao amadurecimento. A procura é frequente e muitos utilizam como forma de agradar as pessoas mais próximas. “Cumade, trouxe um litro de imbu pra você. É lá do imbuzeiro da Jurema. Docim que só!”. “Obrigada comadre!”. É utilizado também como tira-gosto em mesa de bar. “Uma dose de pinga com imbu é muito bom”, comenta um apreciador.

Foto: Rocílio Ribeiro RochaUmbus esparramados para uma imbuzada, sorvetes, geleias e sucos.
Umbus esparramados para uma imbuzada, sorvetes, geleias e sucos.

Sua floração começa no mês de outubro, germinando-se logo os primeiros frutinhos, todos de tamanho muito pequeno. Em janeiro e meado de fevereiro inicia-se a maturação, podendo encontrar, pela manhã, uma grande quantidade desses amadurecidos pelo chão, sendo consumidos por caprinos, suínos, ovinos e até por bovinos. A qualidade do sabor varia de árvore para árvore. Uns se apresentam mais doces e outros azedos.

Veja mais fotos!

Foto: Rosa MeloNas primeiras horas da manhã, os pássaros da caatinga descem para saborearem os umbus maduros.
Nas primeiras horas da manhã, os pássaros da caatinga descem para saborearem os umbus maduros que o vento da noite derrubou no chão.
Foto: Prof. Francisco de Assis SousaVamos chupar umbu?
Vamos chupar umbu?!
Foto: Prof. Francisco de Assis SousaEstoque para fazer polpa.
Estoque para fazer polpa.
Foto: Prof. Francisco de Assis SousaEstá fazendo lama!
Está fazendo lama!
Foto: Rosa MeloEstou lhe esperando para me degustar!
Estou lhe esperando para me degustar!
Foto: Prof. Francisco de Assis SousaQuer imbu? É só vir apanhar!
Quer imbu? É só vir apanhar!
Foto: Prof. Francisco de Assis SousaQuer mais?
Quer mais?

Deixe seu comentário