Após Câmara aprovar texto-base da Previdência, Bolsonaro recebe bancada evangélica

Presidente agradeceu apoio à reforma. Encontro ocorreu um dia depois de Bolsonaro afirmar que pretende indicar um ministro 'terrivelmente evangélico' para o STF.

Foto: Reprodução / Internet O presidente Jair Bolsonaro recebeu deputados da bancada evangélica para um café da manhã
O presidente Jair Bolsonaro recebeu deputados da bancada evangélica para um café da manhã

Acompanhado de ministros, o presidente Jair Bolsonaro recebeu a bancada evangélica para um café da manhã nesta quinta-feira (11) no Palácio do Planalto.

O encontro ocorreu no dia seguinte à declaração do presidente sobre indicar um ministro ‘terrivelmente evangélico’ para o Supremo Tribunal Federal (STF) e à aprovação do texto-base da reforma da Previdência em primeiro turno no plenário da Câmara dos Deputados.

De acordo com os deputados Marcos Pereira (PRB-SP) e João Campos (PRB-GO), presentes no café, Bolsonaro agradeceu os parlamentares pelo apoio na reforma.

O texto-base de proposta de emenda à Constituição (PEC) que altera regras de aposentadorias e pensões foi aprovado em primeiro turno nesta quarta-feira (10) com 379 votos favoráveis e 131 contrários – o mínimo para aprovação era de 308 votos.

Nesta quinta, a Câmara analisa propostas para mudar o texto do projeto. Após encerrar essa etapa da análise, o projeto terá de ser aprovado em segundo turno pela Casa, para então, ser analisado no Senado.

Ministro do STF

Bolsonaro participou do café com deputados e senadores da frente parlamentar evangélica acompanhado dos ministros Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo). Responsável pela articulação política do Planalto, Ramos é evangélico.

Bolsonaro é católico, mas sua mulher, Michelle, também é evangélica. O presidente conta com o apoio, desde a campanha eleitoral, de lideranças cristãs, já que defende uma agenda conservadora nos costumes.

Segundo o deputado João Campos, a bancada aproveitou o café para agradecer a fala de Bolsonaro, que na quarta reforçou em dois momentos o “compromisso” de indicar um ministro evangélico para o STF. Bolsonaro reforçou a intenção de efetivar a indicação, segundo Campos.

Em um culto na Câmara e uma sessão solene pelo aniversário da Igreja Universal do Reino de Deus na quarta, Bolsonaro declarou que indicará um ministro “terrivelmente evangélico” para Suprema Corte.

Como o mandato vai até 2022, Bolsonaro poderá indicar, ao menos, dois ministros para o STF, em razão das aposentadorias por idade (75 anos) de Celso de Mello (2020) e Marco Aurélio Mello (2021).

Fonte: G1

Deixe seu comentário