Barragem se rompe na Sibéria e deixa mortos

Há 15 mortos confirmados, 14 feridos e outras 13 pessoas ainda estão desaparecidas, após colapso de uma barragem em uma mina de ouro.

Foto: reprodução/web Rompimento da barragem em Krasnoyarsk, na Sibéria, deixa rastro de destruição
Rompimento da barragem em Krasnoyarsk, na Sibéria, deixa rastro de destruição

Ao menos 15 pessoas morreram neste sábado (19) após o colapso de uma barragem em uma mina de ouro na região siberiana de Krasnoyarsk, informou o Ministério de Situações de Emergência da Rússia.

Outras 13 pessoas ainda estão desaparecidas e 14 operários foram hospitalizados, três deles em estado grave, segundo a AFP.

De acordo com o ministério, 270 profissionais trabalham nas operações de busca e salvamento, um trabalho muito complicado porque a mina fica em um local remoto.

Os trabalhadores morreram com o colapso da estrutura no rio Seiba, inundando as instalações onde viviam aproximadamente 80 trabalhadores, cerca de 4 mil km a leste de Moscou, segundo o governador de Krasnoyarsk, Alexander Uss. As autoridades calculam que 180 pessoas vivem na área da mina de ouro.

A ministra da Saúde da Rússia, Veronika Skvortsova, coordena a ajuda aos feridos.

Um funcionário da mina, não identificado, declarou à rádio moscovita Govorit Moskva que a ruptura da represa aconteceu de forma repentina. "As pessoas estavam dormindo, ao que parece nem entenderam o que estava acontecendo", disse.

O funcionário disse que existiam quatro represas similares na região, construídas há pouco mais de três anos, e que já haviam sido registradas pequenas fissuras.

De acordo com a RFI, a barragem é ilegal. Autoridades russas, que não sabiam da existência da construção, afirmaram que a barragem não respeitava os regulamentos. Uma investigação criminal foi aberta por violação de regras de segurança.

A represa foi construída violando "todos os padrões", disse Yuri Lapchin, chefe do governo regional, na televisão. A barragem pertencia à holding russa Sibzoloto, que ainda não se pronunciou sobre o acidente.

Em agosto de 2009, um acidente na usina hidrelétrica de Saïano Shushenskaya, a maior do país, na região de Khakassia, na Sibéria, deixou 75 mortos. Equipamentos antigos e falhas humanas foram apontados como causas da tragédia.

Acidentes desse tipo na Rússia são ligados à negligência na aplicação de padrões de segurança, má administração e equipamentos ainda do regime soviético.

Fonte: G1

Deixe seu comentário