Biden defende recompensa em dinheiro para incentivar vacinação nos EUA

As medidas são a última tentativa de Biden de estimular os americanos relutantes a se vacinarem à medida que a variante Delta do coronavírus cresce em todo o país, infectando pessoas não vacinadas em particular.
Por Redação Verdes Campos Sat 30 de Julho de 2021 às 20:00

Foto: Reprodução / Internet Biden defende recompensa em dinheiro para incentivar vacinação nos EUA
Biden defende recompensa em dinheiro para incentivar vacinação nos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden pediu, na quinta-feira (29), que os governos locais paguem às pessoas para serem vacinadas contra o Covid-19 e definam novas regras exigindo que os funcionários federais forneçam prova de vacinação ou enfrentem testes regulares, além de restrições de viagem.

As medidas são a última tentativa de Biden de estimular os americanos relutantes a se vacinarem à medida que a variante Delta do coronavírus cresce em todo o país, infectando pessoas não vacinadas em particular.

Os Estados Unidos ficam atrás de outros países desenvolvidos nas taxas de vacinação, apesar de terem muitas vacinas gratuitas disponíveis. Os esforços da Casa Branca para incentivar os hesitantes a serem vacinados atingiram uma barreira de sentimento anti-vacinal, desinformação e divisão política.

A decisão de Biden de exigir que milhões de funcionários federais e contratados apresentem prova de vacinação é um afastamento de uma oposição anterior aos chamados passaportes de vacina. Mostra a Casa Branca assumindo uma postura mais dura em relação às circunstâncias sob o controle de Biden à medida que o vírus se espalha.

Enquanto isso, os governos estaduais, locais e territoriais dos EUA poderão investir US $ 350 bilhões em ajuda ao coronavírus para fornecer US $ 100 em pagamentos para cada americano recém-vacinado, com o objetivo de aumentar as taxas.

"Eu sei que pagar as pessoas para serem vacinadas pode parecer injusto para as pessoas que já foram vacinadas. Mas o negócio é o seguinte: se os incentivos nos ajudarem a vencer o vírus, acredito que devemos usá-los", disse Biden.

"No momento, muitas pessoas estão morrendo ou vendo alguém que amam morrerem", afirmou o presidente norte-americano a repórteres na Casa Branca. "Com a liberdade vem a responsabilidade. Portanto, por favor, exerça um julgamento responsável. Vacine-se para você, para as pessoas que você ama, para o seu país."

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), cerca de 163,8 milhões de pessoas nos Estados Unidos estão totalmente vacinadas em uma população de cerca de 330 milhões.

O governo federal é o maior empregador dos Estados Unidos e a mudança de Biden poderia servir de exemplo para empresas privadas e outras instituições seguirem na avaliação do retorno dos trabalhadores aos escritórios e locais de trabalho.

Funcionários do governo que não comprovarem ter sido vacinados estarão sujeitos a testes de Covid-19 semanais ou duas vezes por semana e restrições a viagens oficiais.

Os Estados Unidos têm cerca de 2,18 milhões de funcionários civis e 570.000 outros trabalhadores do Serviço Postal dos EUA (USPS), de acordo com dados de 2020. O governo dos EUA empregava 3,7 milhões de funcionários contratados em 2017, segundo um estudo da New York University. Os trabalhadores postais não são afetados pelas novas regras.

Biden também instruiu o Departamento de Defesa a investigar "como e quando" isso exigirá que os militares tomem a vacina.

O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, durante uma viagem ao Sudeste Asiático, afirmou que consultaria seus conselheiros médicos e outros líderes militares seniores e elaboraria um plano para o futuro.

Austin não deu um cronograma de quanto tempo levaria para examinar a questão, mas disse que os militares agiriam o mais rápido possível.

Fonte: CNN BRASIL

Deixe seu comentário