Com exames precoces, Alemanha tem poucas fatalidades da Covid-19

Angela Merkel não tem poder para impor toque de recolher de âmbito nacional; a Baviera, o maior estado da Alemanha, disse que imporá restrições gerais às saídas de casa por duas semanas a partir da meia-noite.

Foto: Reprodução / web Com exames precoces, Alemanha tem poucas fatalidades da Covid-19
Com exames precoces, Alemanha tem poucas fatalidades da Covid-19

A Alemanha teve 44 fatalidades da Covid-19 até a sexta-feira (20) –os dados são da universidade Johns Hopkins– graças a exames precoces da doença, por ora evitando o destino de países atingidos mais duramente, como a Itália, que atualmente tem o maior número de mortos do mundo.

A quantidade de casos alemães aumentou e chegou a 16.290. Assim, a a pandemia entrou em uma fase exponencial que, se não for contida, poderia infectar até 10 milhões de pessoas dentro de três meses, disseram autoridades de saúde.

Pelo sistema federal, a chanceler, Angela Merkel, não pode impor um toque de recolher de âmbito nacional, já que isso cabe a governos estaduais e locais.

Antecipando-se à reunião de crise de domingo, a Baviera, que é o maior estado da Alemanha e cobre cerca de um quinto do país, disse nesta sexta-feira (20) que imporá restrições gerais às saídas de casa por duas semanas a partir da meia-noite.

"Não estamos interditando a Baviera. Não estamos isolando a Baviera. Mas estamos suspendendo totalmente a vida pública da Baviera", disse o ministro-chefe, Markus Soeder, em um pronunciamento na televisão.

A cidade de Freiburg, no sudoeste, anunciou que imporá um toque de recolher a partir do final de semana, e a Renânia do Norte-Vestfália, o Estado mais populoso do país, pode seguir o exemplo.

A Alemanha já fechou escolas, lojas e restaurantes e apelou ao bom senso das pessoas para que se responsabilizem pela desaceleração da proliferação da doença, mas multidões ainda se reuniam em parques, parques de diversões e cafés em cidades grandes e pequenas no final de semana passado.

Fonte: G1

Deixe seu comentário