Comissão denuncia ex-prefeito por 'violação territorial' no cerrado piauiense

Como ex-gestor público, Lobato já foi alvo de uma ação de improbidade administrativa

Foto: Reprodução/Web Segundo o documento da entidade, lançado nesta quinta-feira (3), o caso de violação ocorreu em um território conhecido como Brejo do Miguel, localizado no município de Gilbués.
Segundo o documento da entidade, lançado nesta quinta-feira (3), o caso de violação ocorreu em um território conhecido como Brejo do Miguel, localizado no município de Gilbués.

Um caso de violação a território foi registrado no cerrado piauiense e denunciado pela Comissão Pastoral da Terra (CPT). Em nota pública, a comissão explica que o caso ocorreu em Brejo do Miguel, localizado no município de Gilbués.

Sete homens – identificando-se a serviço de Edvaldo Lobato, ex-prefeito de São Gonçalo do Gurguéia e que se diz proprietário do terreno – teriam entrado na área de “uma comunidade tradicional ribeirinha brejeira localizada às margens do Rio Uruçuí Vermelho, do Brejo Miguel e da Lagoa dos Martins” e construído cercas por cima de terrenos e roças dos moradores da localidade.

Gregório Borges, integrante da coordenação colegiada da CPT-PI, diz que a área está em disputa no Judiciário, mas que os homens que entraram na comunidade não apresentaram qualquer documento oficial nem estavam acompanhados por autoridades públicas, como policiais ou oficiais de Justiça.

“O Iterpi [Instituto de Terras do Piauí] está fazendo o trabalho de regularização fundiária, que está sub judice. Eles vieram com sete homens, não eram autoridades, era gente que ele levou para trabalhar lá”, diz.

Como ex-gestor público, Lobato já foi alvo de uma ação de improbidade administrativa instaurada pelo Ministério Público estadual.

O caso no Brejo do Miguel foi relatado pela CPT ao Ministério Público Federal. O Brasil de Fato não localizou Edvaldo Lobato para comentar.

Leia a íntegra da nota abaixo:

Não iremos nos calar! Mais uma vez a CPT Piauí denuncia a violência sofrida pelos trabalhadores e trabalhadoras do Cerrado piauiense.

A Comissão Pastoral da Terra no Piauí (CPT-PI) vem a público denunciar novamente a violência no campo sofrida pelos povos da terra e das águas no Cerrado piauiense. Desta vez no Território Brejo do Miguel, município de Gilbués (PI).

O Território Brejo do Miguel trata-se de uma comunidade tradicional ribeirinha brejeira localizada às margens do Rio Uruçuí Vermelho, do Brejo Miguel e da Lagoa dos Martins. As famílias deste território vivem da agricultura camponesa, do extrativismo e criação tradicional de animais.

No dia 02 de outubro de 2019, sete homens a serviço do senhor Evaldo Lobato estiveram no Brejo do Miguel construindo uma cerca dentro da área de roça de Antônio Batista Rodrigues. Derrubaram a cerca que a comunidade havia levantado e passaram uma outra cerca dentro da área.

Fonte: *Com informações do Brasil de Fato

Deixe seu comentário