Como ativista Nobel da Paz se tornou defensora de país acusado na ONU de limpeza étnica

Suu Kyi é a líder de facto do país desde abril de 2016, portanto antes das denúncias de limpeza étnica.

Foto: Reprodução \ Web Aung San Suu Kyi, líder de fato do governo de Mianmar e vencedora do prêmio Nobel da Paz, nestaquinta-feira (13) em Hanoi, no Vietnã
Aung San Suu Kyi, líder de fato do governo de Mianmar e vencedora do prêmio Nobel da Paz, nestaquinta-feira (13) em Hanoi, no Vietnã

Aung San Suu Kyi, vencedora do Prêmio Nobel da Paz, era tida como um símbolo internacional da luta pelos direitos humanos em Mianmar. Mas sua trajetória se tornou alvo de duras críticas quando ela passou a negar publicamente as acusações de limpeza étnica contra a minoria muçulmana rohingya.

A também chanceler estará, inclusive, no dia 11 de dezembro perante o Tribunal Internacional de Justiça para defender seu país e aqueles que a prenderam em sua luta histórica por democracia: os militares.

Suu Kyi é a líder de facto do país desde abril de 2016, portanto antes das denúncias de limpeza étnica. Mas se por um lado ela não tem controle sobre as Forças Armadas, por outro é amplamente acusada de ser cúmplice dos militares.

Em nome de dezenas de países muçulmanos, a Gâmbia apresentou uma denúncia contra Mianmar no Tribunal Internacional de Justiça, instância da Organização das Nações Unidas (ONU) que não tem poder legal sobre um país — em caso de condenação, ninguém seria preso ou submetido a julgamento.

Mas uma eventual derrota do país poderia levar a sanções econômicas que ampliariam a pressão sobre a junta militar de Mianmar.

Segundo especialistas da ONU, as Forças Armadas locais agiram com "intenção genocida" em 2017, quando mais de 740 mil rohingyas foram forçados a ambandonar suas casas.

Estes, que fizeram diversas denúncias de assassinatos, estupros e vilarejos incendiados, continuam detidos em campos de refugiados na vizinha Bangladesh.

O Exército rebate as acusações e afirma que estava combatendo "terroristas" e "imigrantes ilegais". A ação militar teria começado após ataques de militantes islâmicos a algumas instalações do governo.

Suu Kyi sinaliza concordar com a política. Durante anos ela negou que o país tem perseguido os rohingyas. "Eu não acho que há uma limpeza étnica em andamento. Eu acho que 'limpeza étnica' é uma expressão muito forte para o que está acontecendo", afirmou à BBC em 2017.

Ela tem acusado a comunidade internacional de não levar em conta o terrorismo no contexto do país, de maioria budista. "Nós somos de opinião de que há certos elementos extremistas que não querem a paz em Rakhine (um Estado do país)."

Ativista e militares

Suu Kyi é filha do herói da independência de Mianmar, o general Aung San, assassinado quando ela tinha apenas dois anos de idade.

Após períodos vivendo na Índia, Japão, Butão e Inglaterrra, ela voltou ao país natal em 1988, ano turbulento na história de Mianmar.

Milhares de estudantes, trabalhadores e monges saíam às ruas para pedir reformas democráticas. E Suu Kyi foi rapidamente alçada à categoria de líder de uma revolta contra o então ditador general Ne Win.

Inspirada pelas campanhas dos líderes de defesa dos direitos civis Martin Luther King, nos EUA, e Mahatma Gandhi, na Índia, ela organizou comícios e viajou pelo país, pedindo reforma democrática pacífica e eleições livres.

Mas as manifestações foram brutalmente reprimidas pelo Exército, que tomou o poder em um golpe no dia 18 de setembro de 1988.

O governo militar convocou eleições nacionais em 1990, e o partido de Suu Kyi venceu o pleito, apesar de ela estar sob prisão domiciliar e de ter sido impedida de participar da votação.

Mas a junta se recusou a entregar o poder, e permanece no controle do país desde então.

Suu Kyi ficou presa entre 1989 e 1995. Durante o período em que esteve presa, participou de reuniões secretas com o governo militar e abriu caminho para o diálogo entre as autoridades e a oposição.

Em 2015, com a vitória de seu partido nas eleições gerais, ela se tornou a figura mais poderosa do governo, ocupando os cargos de 1ª Conselheira de Estado e chanceler, mas não exerce controle sobre o comando militar.

Para alguns analistas, a ofensiva nacionalista de Suu Kyi em defesa do país ante as críticas internacionais podem ampliar sua popularidade e favorecê-la na eleição geral em novembro de 2020.

Quem são os rohingyas?

O povo representa cerca de 5% entre 60 milhões de habitantes de Mianmar, e sua origem ainda é amplamente debatida.

Por sua parte, eles afirmam serem indígenas do Estado de Rakhine, anteriormente conhecido como Arakan, no oeste do país, mas outros apontam que são, na verdade, muçulmanos de origem bengali que migraram para Mianmar durante a ocupação britânica.

Desde 1948, quando o país se tornou independente, eles têm sido vítimas de tortura, negligência e repressão.

No país, eles são proibidos de se casar ou de viajar sem a permissão das autoridades e não têm o direito de possuir terra ou propriedade.

Com as dramáticas mudanças políticas e sociais locais nas últimas décadas, os ânimos das várias comunidades que habitam o país entraram em ebulição e uma onda de violência e discriminação voltou a emergir contra os rohingyas.

A pobreza, negligência e repressão têm desempenhado um grande papel na violência étnica no país. "Adicione a isso as memórias históricas amargas e os medos sentidos por comunidades rivais do que poderiam perder ou ganhar no ambiente político novo e incerto de Mianmar", explica Jonathan Head, correspondente da BBC no Sudeste Asiático.

Tanto as Nações Unidas quanto as organizações de defesa dos direitos humanos pedem que as autoridades de Mianmar revejam a Lei de Cidadania de 1982, de forma a garantir que os rohingyas não continuem sem pátria.

Essa é a única maneira, dizem, para combater as raízes da longa discriminação contra essa etnia. Cerca de 800 mil rohingyas de Mianmar não possuem cidadania.

Fonte: G1

Deixe seu comentário