Dudu pede celeridade da justiça no caso de estupro em hospital de Teresina

O parlamentar classifica o estupro como o pior crime a ser praticado contra o ser humano.

Foto: Reprodução/ Internet Dudu pede celeridade da justiça no caso de estupro em hospital de Teresina.
Dudu pede celeridade da justiça no caso de estupro em hospital de Teresina.

Em sessão ordinária realizada nesta quarta-feira (02) na Câmara Municipal de Teresina (CMT), o vereador Dudu (PT) apresentou um requerimento verbal solicitando celeridade da justiça na condução do caso de estupro ocorrido no Hospital São Marcos. No requerimento aprovado por unanimidade na Câmara, o parlamentar requer que o Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI) direcione o juiz responsável pelo caso, a fim de que determine a prisão do acusado.

“Nós tivemos em Teresina um caso que abalou toda a sociedade e a mim pessoalmente, até por ter conhecimento das famílias envolvidas neste caso, que foi o estupro que ocorreu no Hospital São Marcos e está causando comoção na capital. Nós aprovamos hoje na Câmara o requerimento em que pede celeridade no despacho da justiça, porque se houver um outro problema do acusado é a justiça que vai dirimir se há ou não distúrbio ou problema mental do acusado. O que não dá é de a vítima que sofreu de forma bem planejada estar pagando duas vezes aguardando o andamento desse caso”, disse Dudu.

O vereador comenta ainda sobre os danos que são causados à família e, principalmente, à vítima. “Entendemos que não tem como esse dano ser reparado às famílias, só Deus na sua magnitude e bondade é que vai dar um conforto e recomposição necessária para as famílias, sobretudo para a vítima. O estupro é um crime sério e temos que repudiar com muito vigor. A sociedade não pode permitir jamais que esse tipo de crime, que é o pior na minha opinião que possa existir, e esperamos que a justiça possa realmente fazer justiça e com esse requerimento aprovado desejamos que o mais breve possível vejamos esse criminoso preso”, finaliza o parlamentar.

Fonte: *Com informações da Ascom.

Deixe seu comentário