Empresários suspeitos de fraude se entregam a polícia após ter prisão decretada

O coordenador da operação também alegou que se espera que as denúncias sejam encaminhadas à Justiça em breve

 Em um desdobramento da Operação Topique, os dois empresários acusados de organização criminosa que realizava fraudes em licitações e desvio de verbas públicas que seriam destinadas para o transporte escolar se entregaram à polícia na manhã desta quarta-feira (19). Os crimes foram realizados no Piauí, em prefeituras piauienses e no Maranhão. A decisão da prisão foi decretada novamente pela Justiça Federal.

O relator do caso, juiz federal Saulo Casali Bahia, revogou o habeas corpus, concedido por ele mesmo em agosto deste ano, após a decisão unanime pela prisão de L.C.M.S e de L.O.S feita em votação pela 4º Turma do Tribunal Regional Federal da 1º Região. Segundo o juiz, na época da concessão do habeas corpus, não havia indícios de que os crimes teriam continuidade após o ano de 2015, como afirmou o advogado de defesa de um dos investigados.

De acordo com o Ministério Público Federal, o decreto da prisão preventiva dos empresários é uma medida necessária para a manutenção da ordem pública. O coordenador da operação também alegou que se espera que as denúncias sejam encaminhadas à Justiça em breve.



Deixe seu comentário