Equador vai se retirar da Opep em janeiro de 2020

O país sul-americano enfrenta problemas financeiros.

Foto: Reprodução / Web O passivo público ficou em 39.491 milhões de dólares (36,2% do PIB) em julho passado, segundo o Banco Central (BCE).
O passivo público ficou em 39.491 milhões de dólares (36,2% do PIB) em julho passado, segundo o Banco Central (BCE).

O Equador anunciou nesta terça-feira (1) que em janeiro deixará a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) devido a problemas financeiros que o país sul-americano enfrenta. 

"O governo equatoriano decidiu deixar de pertencer à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) desde 1º de janeiro de 2020", informou o Ministério da Energia e Recursos Naturais Não Renováveis em um comunicado.

O Ministério acrescentou que "a decisão está nas questões e desafios internos que o país deve assumir, relacionados à sustentabilidade fiscal. Essa medida está alinhada com o plano do governo nacional de reduzir os gastos públicos e gerar novas receitas".

O Equador, o menor membro do cartel e que produz cerca de 531.000 barris por dia de petróleo bruto, enfrenta problemas financeiros que levaram o governo do presidente Lenín Moreno a aumentar sua dívida externa. 

O passivo público ficou em 39.491 milhões de dólares (36,2% do PIB) em julho passado, segundo o Banco Central (BCE).

Esta será a segunda vez que o Equador se retirará pela segunda vez na história do cartel de petróleo da Opep, onde entrou em 1973 e de onde partiu em 1992. 

A pasta de Energia informou que o país sul-americano, que retornou ao cartel de petróleo em 2007, "sempre foi um membro construtivo da organização e manterá os laços formados com os países da Opep". 

Fonte: Correio Brasiliense

Deixe seu comentário