Especialista fala sobre os fatores de risco do câncer de próstata

Consultar regularmente o médico é a melhor forma de prevenção.

Foto: Reprodução/ Ascom Especialista fala sobre os fatores de risco do câncer de próstata.
Especialista fala sobre os fatores de risco do câncer de próstata.

Pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca) aponta que o câncer de próstata é o segundo mais frequente entre os homens no Brasil. O estudo ainda revela que em 2020 estima-se que no país podemos ter o surgimento de aproximadamente 65 mil novos casos da doença. Assim, é necessário que os homens fiquem cada vez mais atentos à necessidade de procurar acompanhamento médico de forma regular.

O urologista Rodrigo Beserra,  destaca quais fatores de risco podem contribuir para o surgimento da doença.

“O primeiro deles diz respeito a idade do paciente, pois quanto mais velho, maior o risco da pessoa ser acometida pela doença. Porém, não necessariamente pela idade esse tumor será mais agressivo, uma vez que tumores em pacientes mais idosos tendem a ser menos agressivos. Outro fator de risco é a população negra que, segundo estudos, possui uma maior possibilidade de ser acometida pelo câncer e de forma mais agressiva. Por fim, outro fator é a questão dos parentes de primeiro grau de homens que tiveram ou estão com a doença, em especial pai, irmãos e tios. Por isso, é fundamental que os homens procurem o médico de forma regular”, pontuou o especialista.

Segundo levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), em virtude do cenário de pandemia, cerca de 55% dos homens acima de 40 anos deixaram de consultar regularmente o médico ou não deram continuidade ao tratamento médico.

“O rastreamento da doença deve ser iniciado a partir dos 50 anos em homens sem fatores de risco. Aqueles que possuem alguma predisposição à doença, como população negra ou parentes próximos (pai, irmãos ou tios), o rastreamento deve iniciar aos 45 anos. Esse rastreio consiste no exame de sangue (PSA) e no exame do toque retal anual. O mais importante é que a partir das idades citadas seja feito todo o acompanhamento médico necessário para avaliar o paciente de forma individualizada. Outro ponto fundamental é que, mesmo em tempos de pandemia, o paciente deve continuar o seu tratamento”, afirmou o urologista Rodrigo Beserra. 

O médico ainda destaca que a prevenção pode ser feita diariamente por meio de alguns hábitos saudáveis.

“A prática regular de atividade física, melhor alimentação e o não consumo de bebidas alcoólicas, são fatores que contribuem para reduzir as chances de ser acometido pelo câncer de próstata. A própria campanha do Novembro Azul visa conscientizar e chamar a atenção masculina para cuidar cada vez mais da sua saúde, uma vez que o paciente possui muitas possibilidades de cura desde que a doença seja diagnosticada precocemente”, concluiu o especialista.

Fonte: *Com informações da Ascom.

Deixe seu comentário