G7 doará 1 bilhão de doses de vacinas para países mais pobres, diz Boris Johnson

Doação de imunizantes contra a Covid-19 será feita diretamente ou através do consórcio Covax Facility
Por Redação Verdes Campos Sat 13 de Junho de 2021 às 18:00

Foto: Reprodução / Internet G7 doará 1 bilhão de doses de vacinas para países mais pobres, diz Boris Johnson
G7 doará 1 bilhão de doses de vacinas para países mais pobres, diz Boris Johnson

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou neste domingo (13) que o G7 doará 1 bilhão de doses de vacinas para países mais pobres diretamente ou através do consórcio Covax Facility.

"Há uma semana, pedi a meus colegas que ajudassem a preparar e fornecer as doses que precisamos para vacinar o mundo inteiro até o final de 2022", disse Johnson durante entrevista coletiva.

"Estou muito satisfeito em anunciar que os líderes prometeram mais de 1 bilhão de doses, diretamente ou através do financiamento da Covax. Isso inclui 100 milhões do Reino Unido aos países mais pobres do mundo, que é outro grande passo."

Antes da cúpula do G7, o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou que os Estados Unidos planejam doar 500 milhões de doses da vacina da Pfizer. Quanto ao cronograma, as autoridades disseram que as doses da Pfizer começarão a ser enviadas em agosto e 200 milhões de doses serão entregues até o final deste ano. As 300 milhões de doses restantes serão entregues no primeiro semestre de 2022.

Mais cedo, o presidente do Conselho da UE, Charles Michel, havia anunciado que os líderes do G7 concordaram em “alinhar” suas posições sobre vacinas, fundos para a África e lutar contra a “pressão de regimes autoritários”.

Nos últimos três dias da cúpula, a UE trabalhou para convencer as “principais democracias do mundo” a se juntar a ela na aceleração das entregas globais de vacinas. “A prioridade era garantir que podemos atender a demanda por vacinas e aqui a UE assumiu a liderança. Parceiros agora se juntaram a nós para acelerar a produção e entrega de vacinas em todo o mundo ", disse Michel.

“Também vemos que as democracias liberais e as sociedades abertas enfrentam a pressão de regimes autoritários. Esse desafio nos levou a unir forças durante o G7, não apenas para sermos capazes de responder sob pressão ou ataque, mas também para difundir nossos valores de liberdade, governo de lei e respeito pelos direitos humanos ", disse ele.

“Outro ponto, de especial significado para mim, é o nosso compromisso com a África. Já há alguns anos, com alguns líderes na Europa, estamos convencidos de que esse compromisso com a África deve estar no centro de nossas futuras relações internacionais.

Cada vez mais, nós conseguimos unificar as posições dos países europeus nesta questão e agora convencemos nossos parceiros a mobilizar mais fundos para garantir uma estratégia de ganha-ganha para a África e a Europa ”, acrescentou Michel em um comunicado.

Fonte: CNN BRASIL

Deixe seu comentário