Índice de infestação do Aedes aegypti chega a nível de emergência na capital.

De janeiro a maio, já foram registrados na Capital, 1.188 casos dengue, 191 casos de chikungunya e 20 casos de zika.

Foto: Reprodução / Internet Teresina está entre as capitais em alerta para surto de dengue
Teresina está entre as capitais em alerta para surto de dengue

Teresina após atingir um estágio preocupante para os casos de doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, estar entre as capitais em alerta para o surto de dengue. Isto porque o Índice de Infestação do mosquito, divulgado pela Fundação Municipal de Saúde (FMS), chegou a 2,2 para casos de infestação predial. O número está acima do nível 1, que é sinal de alerta, segundo o Ministério da Saúde, e acima do nível 2, que é sinal de gravidade.

O Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti (LIRAa) foi realizado entre 29 de abril e 03 de maio. Este levantamento acontece quatro vezes ao ano e abrange todas as regiões. Para coletar o índice, os agentes de endemia percorrem uma média de 15 mil imóveis em busca de focos em ralos, piscinas, vasos de plantas e outros lugares possíveis de virar criadouros. Os dados obtidos servirão como base para o desenvolvimento de estratégias de combate ao Aedes aegypti.

“As pessoas têm que tomar cuidado para não criar mosquito em casa, no trabalho, nas escolas e afins. E caso a pessoa venha a ter dengue e urinar transparente por 24 horas seguidas, além de sentir dor abdominal, cansaço e tontura, é importante procurar imediatamente o serviço de urgência de saúde, porque são sinais de gravidade da doença”, explica Amariles Borba, diretora de Vigilância em Saúde da FMS.

De janeiro a maio, já foram registrados na Capital, 1.188 casos dengue, 191 casos de chikungunya e 20 casos de zika. Os dados chamam a atenção para a necessidade da população ter mais cuidado no sentido de evitar a proliferação do mosquito transmissor das doenças e prestar atenção em possíveis focos de água parada.

Fonte: Redação

Deixe seu comentário