Lava Jato protegeu Moro para evitar tensões entre o juiz e o STF, diz jornal

None

Foto: Reprodução/internet Moro ainda afirmou que está convicto de sua atuação como juiz e negou que tenha rompido a isonomia do seu cargo ao ter conversas com integrantes do Ministério Público
Moro ainda afirmou que está convicto de sua atuação como juiz e negou que tenha rompido a isonomia do seu cargo ao ter conversas com integrantes do Ministério Público

Procuradores da Operação Lava Jato protegeram Sergio Moro para evitar que tensões entre o então juiz e o STF (Supremo Tribunal Federal) paralisassem as investigações da força-tarefa em 2016. A informação é do novo lote de conversas divulgados pelo Intercept Brasil em parceria com a Folha de S.Paulo. Leia a íntegra.

O conflito teria sido motivado por repreensão do STF a Moro sobre divulgação ilegal de conversa entre o ex-mandatário Luiz Inácio Lula da Silva e a, na época, presidente Dilma Rousseff.

Em uma das séries de conversas, o procurador da República Deltan Dallagnol afirmou: “nós faremos tudo o que for necessário para defender Vc de injustas acusações.”

A força-tarefa protegeu o então juiz para evitar o aumento do confronto com a Suprema Corte depois da divulgação de documentos encontrados pela PF (Polícia Federal) na casa de executivo da Odebrecht. Os papéis colocavam em exposição dezenas de políticos que tinham direito a foro privilegiado –e que, por isso, só podiam ser investigados com autorização da corte.

Segundo a reportagem, as mensagens  indicam que os procuradores e o então juiz temiam que o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF, desmembrasse os inquéritos que estavam sob controle de Moro em Curitiba e os esvaziasse no momento em que as investigações sobre a Odebrecht avançavam.

O incidente  teria sido causado por 1 descuido da Polícia Federal em 22 de março de 2016, quando ela anexou os documentos da Odebrecht aos autos de 1 processo da Lava Jato sem preservar seu sigilo. Isso permitiu a divulgação do material pelo blog que o jornalista Fernando Rodrigues mantinha na época.

No dia seguinte, Moro escreveu ao procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, para reclamar da polícia e avisar que acabara de impor sigilo aos papéis.

“Tremenda bola nas costas da Pf”, disse. “E vai parecer afronta”, acrescentou, referindo-se à reação que esperava do Supremo.

Horas depois, depois de discutirem estratégia, Deltan mandou novas mensagens a Moro. Disse que a PF não tinha agido por má-fé. O juiz respondeu então que a história “continua sendo lambança”. “Não pode cometer esse tipo de erro agora”, continuou Sergio Moro. O procurador respondeu: “Saiba não só que a imensa maioria da sociedade está com Vc, mas que nós faremos tudo o que for necessário para defender Vc de injustas acusações.”

MBL

As mensagens divulgadas pelo jornal também mostram que Moro pediu a Deltan que ajudasse a conter o grupo antipetista MBL (Movimento Brasil Livre), após 1 protesto em frente ao apartamento do ministro Teori Zavascki em Porto Alegre.

Na ocasião, os militantes estenderam faixas que chamavam Zavascki de “pelego do PT” e pediam que deixasse “Moro trabalhar“.

“Não sei se vcs tem algum contato mas alguns tontos daquele movimento brasil livre foram fazer protesto na frente do condominio do ministro”, digitou Moro no Telegram. “Isso não ajuda evidentemente.”

Deltan avaliou: “Não sendo violento ou vandalizar, não acho que seja o caso de nos metermos nisso por um lado ou outro”, disse.

Depois, o procurador disse que a força-tarefa não tinha contato com o MBL. Moro não insistiu mais no assunto.

Fonte: Poder 360

Deixe seu comentário