Marden Menezes solicita detalhamento da aplicação de R$ 1,6 bilhão do Fundef

O Piauí recebeu precatório no valor de R$ 1 bilhão e 652 milhões depois de 10 anos.

Foto: Reprodução/ Internet Marden Menezes solicita detalhamento da aplicação de R$ 1,6 bilhão do Fundef.
Marden Menezes solicita detalhamento da aplicação de R$ 1,6 bilhão do Fundef.

O deputado estadual Marden Menezes (PSDB) apresentou requerimento na Assembleia Legislativa solicitando da Secretaria de Estado da Educação, de um plano de aplicação do recursos oriundos dos precatórios Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef).

O Piauí recebeu precatório no valor de R$ 1 bilhão e 652 milhões depois de 10 anos, referente à distorção no cálculo do repasse por aluno, entre os anos de 1994 a 2006.
“Nós estamos cobrando do Secretário Estadual de Educação um plano de aplicação desses recursos. Esses recursos devem ser repartidos num percentual de 60% para os professores, e os 40% restante deve ser aplicado na educação pública, mas até o presente momento não se tem um plano detalhado e transparente da Seduc para o investimento dos precatórios da Fundef”, reclamou o deputado.

Marden Menezes explicou que o seu objetivo é saber onde o governo vai aplicar  os R$ 1,6 bilhão. “Estamos solicitando esse cronograma de aplicação para que a Assembleia Legislativa e a sociedade acompanhem o que vai ser feito exatamente com esse recurso. É preciso destacar que com esse montante o Governo do Estado pode fazer uma educação mais moderna e de alta qualidade e por isso precisamos redobrar a fiscalização com o investimento e pedir esse cronograma e que a Alepi aprove o requerimento", finalizou o parlamentar.

De acordo - O deputado Fábio Novo (PT) concordou com o parlamentar de oposição afirmando que “os recursos são públicos e precisam ser fiscalizados”. O deputado disse ainda que o Piauí dará um salto na educação pública e no acesso à internet uma vez que o Governo do Estado está trabalhando para melhorar as condições de educação presencial e remota.

Fonte: Alepi- Assembleia Legislativa do Estado do Piauí

Deixe seu comentário