Ministro da Educação diz que apoia mais recursos para o Fundeb, mas quer ‘cobrar metas’

Declaração foi dada em audiência na Câmara dos Deputados. É a terceira vez que Weintraub vai ao Congresso desde o início do mês.

Foto: Reprodução/web O ministro da Educação, Abraham Weintraub, na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (22).
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (22).

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou nesta terça-feira (22) que concorda com a proposta de ampliar as verbas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), mas pretende “cobrar metas” de estados e municípios como contrapartida.

A declaração foi dada em audiência das comissões de Educação e de Administração, Transporte e Serviços Públicos da Câmara dos Deputados. É a terceira vez que Abraham Weintraub comparece ao Congresso desde o início do mês – antes, foi a audiência no Senado e ao plenário da Câmara.

O Fundeb é repassado pela União às secretarias estaduais e municipais, como complementação para a educação básica – do ensino infantil ao médio. A lei atual prevê que ele expire em 2020 e, por isso, o Congresso discute um novo formato para restabelecer o fundo.

“A questão do Fundeb é muito importante, a gente está trabalhando numa proposta que melhore o Fundeb. Eu sou a favor de aumentar os recursos, mas sou a favor também de cobrar algumas metas”, disse, sem esclarecer o percentual de aumento ou o teor das metas.

Oposição reclama

Durante a audiência, Weintraub foi questionado por deputados de oposição sobre a “falta de propostas” do MEC para a educação básica, e sobre o bloqueio de verbas das universidades e institutos federais.

Em resposta, Weintraub citou a Política Nacional de Alfabetização – lançada em um decreto pelo ministro antecessor, Ricardo Vélez Rodriguez, e ainda não implementada – como uma das políticas a serem desenvolvidas. E repetiu que o contingenciamento não é corte, e pode ser revertido com a aprovação da reforma da Previdência.

A audiência pública começou às 9h30, com uma apresentação de Weintraub sobre o atual estágio de cumprimento das metas do Plano Nacional de Educação. Até as 11h30, sete deputados tinham formulado perguntas – todos de oposição.

Fonte: G1

Deixe seu comentário