Moradores de rua são acolhidos em escola de Teresina

Os moradores vão ter acesso alimentação e condições dignas de se prevenirem contra a Covid-19. O local em que as pessoas vão permanecer na Unidade Escolar Anicota Burlamarqui.

Foto: CCOM Cerca de 36 pessoas foram acolhidas na escola e devem ficar por pelo menos 60 dias.
Cerca de 36 pessoas foram acolhidas na escola e devem ficar por pelo menos 60 dias.

As pessoas que moram nas ruas começaram a ser transferidas nesta terça-feira (31), para um abrigo montado pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc), em uma escola localizada na zona sul de Teresina.

Os moradores vão ter acesso alimentação e condições dignas de se prevenirem contra a Covid-19. O local em que as pessoas vão permanecer na Unidade Escolar Anicota Burlamarqui.

Durante todo o período de ocupação nas instalações da escola, o prédio será administrado em regime de cogestão pela Seduc, pela Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Direitos Humanos (Sasc) e pela Pastoral de Rua da Arquidiocese de Teresina.

Segundo o secretário da Seduc, Ellen Gera, foram doados cerca de 50, ainda de segundo Gera, durante a pandemia do coronavírus e também das enchentes, todos devemos ser solidários. Assim as pessoas vão seguir juntas, cuidando uma das outras.

A coordenadora da Pastoral do Povo de Rua de Teresina, Hercília Amorim, explica que cerca de 36 pessoas foram acolhidas na escola e devem ficar por pelo menos 60 dias, de forma a obedecer às recomendações de isolamento social.

Durante o período de pandemia as pessoas serão auxiliadas para que elas também tenham a oportunidade de se prevenir do vírus, e possam cumprir as recomendações de isolamento e higiene. Os acolhidos são acompanhados por uma equipe de monitores e recebem três refeições diárias.

Fonte: com informações da CCOM*

Deixe seu comentário