Motorista cospe em rosto de mulher e a agride durante briga de trânsito no Bairro Papicu

Discussão foi motivada após a vítima reclamar de uma manobra proibida feita pelo motorista

Foto: reprodução/Diário do Nordeste Mulher foi agredida a caminho do trabalho após reclamar de uma manobra proibida.
Mulher foi agredida a caminho do trabalho após reclamar de uma manobra proibida.

Uma mulher foi agredida enquanto seguia para o trabalho após reclamar de uma conversão proibida feita por um motorista na rua Juiz Renato Silva, no bairro Papicu, em Fortaleza, na tarde desta terça-feira (26). O caso foi registrado no 15º Distrito Policial. Ela levou um soco no nariz e foi cuspida no rosto por um homem.

Em entrevista ao Sistema Verdes Mares, Débora Lino de Oliveira Rocha, 27 anos, relatou que, após reclamar da manobra de trânsito feita pelo motorista, ela foi seguida por ele até o trabalho. Imagens mostram o momento exato da agressão sofrida pela vítima, que é cuspida e agredida no rosto.

"Eu vinha na esquerda e esse rapaz na direita quando ele, um quarteirão depois, quis entrar à esquerda vindo da direita. E aí me fechou. Quando eu parei o carro, fiquei dizendo: 'você tá louco?', ele disse: 'ah, sua babaca! Você está achando ruim?", conta.

A vítima conta que, após ser ofendida pelo motorista, fez um gesto obsceno para ele. "Infelizmente, eu soltei um gesto obsceno e aí segui o meu caminho até o meu trabalho e depois percebi que ele estava me seguindo, passando por cima de calçada, de tudo para tentar chegar até o meu carro", relata.

Após chegar ao trabalho e estacionar o carro, Débora conta que o motorista parou ao lado e ameaçou agredi-la.

"Quando eu estacionei o carro na frente do meu trabalho, ele parou do meu lado, desceu do carro e disse: 'você vai levar uma surra'. E aí, ele veio para cima de mim, me cuspiu e depois quando eu ia revidar esse ato, ele socou o meu nariz".

A vítima foi até o 15º Distrito Policial, onde registrou um Boletim de Ocorrência. A polícia trabalha com as informações do veículo do suspeito para identificar o agressor. A reportagem solicitou nota à Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) e aguarda retorno.

A delegada responsável pelo caso informou que viu o vídeo várias vezes e já tomou providências. Ela expediu as guias de lesão corporal para a Perícia Forense e também já identificou os crimes que foram cometidos.

Fonte: Diário do Nordeste

Deixe seu comentário