Organizadoras de concursos estavam ganhando licitações irregularmente

Operação foi deflagrada em três estados do Nordeste

Foto: Reprodução / Web Os mandados são relacionados a pessoas que administram, dirigem e colaboram com as atividades de elaboração de concursos públicos.
Os mandados são relacionados a pessoas que administram, dirigem e colaboram com as atividades de elaboração de concursos públicos.

“Estranhamos que essas empresas sempre estariam ganhando essas licitações de realização de concursos e havia cláusulas que sempre beneficiava essas empresas”, disse o delegado geral do Estado, Luccy Keiko. 

Nesta quinta-feira (07), a Polícia Civil do Piauí, deflagrou a operação Dom Casmurro, que tem como objetivo cumprir doze mandados de busca e apreensão expedidos contra duas empresas de Teresina. Além do município de Cocal, no Piauí, outros Estados do Nordeste como Maranhão, Pernambuco e na Bahia fazem parte dessa operação. 

Ainda durante a ação, ocorrida na manhã de hoje, o secretário de Administração da cidade de Cocal foi afastado do cargo. Segundo o delegado Geral, a operação foi deflagrada a partir de investigações e informações do Ministério Público de Cocal, quando foram constatados que as duas empresas alvos dessa operação sempre ganhavam licitações para elaborar concursos públicos municipais a partir de editais direcionados.

“Na cidade de Cocal foi lançado um edital de concurso, onde uma empresa ganhou a licitação de forma irregular, o edital teria sido direcionado para essa empresa, o promotor na época conseguiu suspender esse concurso e mesmo assim, fomos requisitados a investigar esse fato. Então estranhamos que essas empresas sempre estariam ganhando essas licitações de realização de concursos e havia cláusulas que sempre beneficiava essas empresas, então abrimos um inquérito e solicitamos buscas”, disse o delegado.  

De acordo com o promotor de Justiça do município de Cocal, Túlio Mendes, já estão sendo adotadas as providências na operação sobre os agentes públicos, comissão de administração e a secretaria de administração do município.

“Diante do que se constatou, indícios fortíssimos de que a licitação foi direcionada desta empresa Machado de Assis ganhasse a licitação. Foram tomadas algumas providencias, uma dessas medidas foram busca e apreensão que foi realizada na manhã de hoje e a outra medida foi o pedido de afastamento do secretário e da comissão de licitação que atuaram na época. Houve uma fraude no concurso de licitação da empresa”, disse o promotor.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, os mandados são relacionados a pessoas que administram, dirigem e colaboram com as atividades dedicadas à elaboração de concursos públicos em alguns estados do nordeste. 

Na mesma operação, além do secretário de Administração, foram afastados também os membros da Comissão Permanente de Licitação no município de Cocal.

Deixe seu comentário