Partido retira candidatura de princesa da Tailândia

Decisão foi anunciada horas depois de ter sido desacreditada publicamente pelo monarca.

Foto: Reprodução/Internet Partido retira candidatura de princesa da Tailândia
Partido retira candidatura de princesa da Tailândia

O partido Thai Raksa Chart recuou e retirou neste sábado (9) a candidatura da princesa Ubolratana, irmã mais velha do rei da Tailândia, ao cargo de primeira-ministra do país. Decisão foi anunciada horas depois de ter sido desacreditada publicamente pelo monarca.



Em comunicado, o partido político afirmou que "se submete à ordem real" com "lealdade" e "respeito a todos os membros da Casa Real".



Na sexta-feira (8), a princesa Ubolratana Rajakanya Sirivadhana Barnavadi, de 67 anos, anunciou a candidatura pelo partido que faz oposição à junta militar que chegou ao poder após um golpe de estado. Após vários atrasos, as eleições marcadas para 24 de março serão as primeiras desde 2014.



O partido Thai Raksa Chart é ligado ao ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, que foi deposto em um golpe de estado em 2014 e está foragido da Justiça do país.



O rei da Tailândia, Maha Vajiralongkorn, chamou de "extremamente inapropriada" e "inconstitucional" a decisão da irmã de concorrer ao cargo de primeira-ministra.



"O envolvimento de um membro da família real na política, não importa de que maneira, afronta às tradições, costumes e cultura do país”, afirmou o rei em um comunicado.

Oficialmente, a princesa perdeu seu título real quando se casou com um americano, em 1972. Ela retornou à Tailândia no fim dos anos 1990, depois de se divorciar. Apesar de não ter recuperado seu título original, ela é vista e tratada como um membro da realeza pela população tailandesa.



De acordo com a rede alemã Deutsche Welle, a princesa Ubolratana é muito popular na Tailândia e tem mais de cem mil seguidores no Instagram. Ela atuou em três filmes e gravou vários discos. Ela também causou comoção entre a população ao perder o único filho, que era autista, em um tsunami em 2004.



A dinastia Chakri rege a Tailândia desde 1872. Desde 1932, o país é uma monarquia constitucional. A família real tem uma enorme influência no país. O antigo rei Bhumibol, pai de Vajiralongkorn e de Ubolratana, era venerado como um deus. Ele ficou sete décadas no trono, até a sua morte, em 2016.

Deixe seu comentário