Pré-vestibular comunitário em laje na Maré aprova todos os estudantes em universidades públicas do Rio

Iniciativa UniFavela foi criada por jovens graduandos da Uerj e UFRJ e também moradores do complexo de favelas da Zona Norte. Aluno cedeu a própria casa para ter aulas com o projeto, que não tinha sede.

Foto: Reprodução \ Web Criador da iniciativa, Laerte Breno, de 24 anos, é estudante de Letras da UFRJ e morador da Maré
Criador da iniciativa, Laerte Breno, de 24 anos, é estudante de Letras da UFRJ e morador da Maré

Em agosto do ano passado, três jovens professores cariocas fundavam um pré-vestibular comunitário para estudantes do Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio. Menos de um ano depois, o UniFavela já colhia frutos: todos os alunos da primeira turma passaram para universidades públicas do RJ.

O sucesso veio com uma mesa-estante de tijolos e um pequeno quadro doado em uma sala de aula improvisada - a laje da casa de um dos estudantes.

Laerte Breno, Daniele Figueiredo e Letícia Maia começaram a ajudar vestibulandos meses antes, como monitores, em uma biblioteca da comunidade. A iniciativa cresceu e virou o UniFavela.

Da laje para a UFRJ

Cristian Gomes, de 21 anos, que cedeu a laje, foi um dos aprovados pelo UniFavela. O jovem, que hoje cursa administração na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), conta que não hesitou em doar o espaço quando soube que as aulas poderiam ser encerradas.

“A gente queria continuar estudando com eles. E já que a gente estava sem um local, coloquei panos nas mesas, pus cadeiras e adaptei a laje da minha casa”, relembra o jovem.

Fundadores do projeto e também moradores da Maré, Laerte, de 24 anos, que cursa letras na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e Daniele, 24 anos, graduanda de história na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), apostam no ensino não linear para passar os conteúdos aos estudantes.

“É para além de um pré-vestibular de passar conteúdo, a gente privilegia a educação popular. A gente está ali para tirar uma dúvida ou outra, mas construir junto, aprender junto”, afirma a estudante de história.

Laerte conta que a iniciativa começou de maneira despretensiosa, mas que logo precisou de um quadro maior de voluntários. Pelas redes sociais, o grupo divulga as ações e também recebe novos professores que queiram contribuir para o projeto.

“Não foi uma ação planejada. Por coincidência, eu estava nessa biblioteca e uma amiga me pediu ajuda com linguagem para a prova da Uerj. Depois, ela apareceu com mais amigos e eu pensei que também poderia conseguir mais professores”, conta Laerte, que optou pela licenciatura para gerar retorno educacional à comunidade.

Estudante de história da UFRJ, Letícia Maia também passou a dar aulas no UniFavela a convite de Laerte.

Com a organização de saraus, oficinas de arte e cultura, o grupo expandiu a ação social para fora da sala de aula, arrecadando doações para moradores em situação de vulnerabilidade da Maré.

“Nunca o nosso propósito era só a aprovação. Óbvio que tinha essa motivação, que essas pessoas estivessem na faculdade, mas o objetivo primeiro era a formação humana, de pessoas que gostem de aprender, conhecer, que tenham esse apreço pelo conhecimento e cidadania”, afirma Letícia Maia.

Depois de meses funcionando na laje, o grupo conseguiu arrecadar fundos em uma vaquinha online após uma publicação viralizar nas redes sociais. Atualmente, a UniFavela funciona em uma sala de aula estruturada na sede de um projeto social na Maré.

Dificuldades além da sala de aula

Apesar do forte calor e períodos de chuva, a maior dificuldade – segundo os professores e alunos – não estava na falta de estrutura da sala de aula improvisada.

“Por mais que a gente estivesse em uma laje, em um ambiente não muito confortável, muito quente, muito frio, o pior era o tiroteio. Era muito perigoso estar em uma laje na favela, né?”, relembra o estudante Cristian Gomes.

A violência dos constantes confrontos entre traficantes e policiais na Maré comprometia o andamento das aulas e atrasava o conteúdo passado aos estudantes, como conta a professora Daniele Figueiredo.

“Eu tive várias aulas interrompidas em operação policial, precisava ligar correndo para os alunos que estavam quase saindo de casa e pedir ‘Não sai, não sai, vou ter que cancelar a aula, não sai’. Então, é uma questão muito mais preocupante a questão das operações”, relembra a professora.

Apesar do resultado positivo em meio a um ambiente marcado pela violência e falta de estrutura, os alunos e professores não acreditam em uma visão meritocrática por trás das conquistas dos estudantes.

“Estudar é uma tarefa extremamente difícil. Se eles passaram, se a gente passou, não foi meritocracia. Foi porque, de alguma maneira, a gente conseguiu estudar. Se deixar tudo de lado, todas as preocupações, e sentar e estudar, é muito complicado”, conclui Daniele.

A jovem Lindalva do Nascimento, de 22 anos, que entrou no pré-vestibular comunitário neste ano, reconhece as dificuldades da rotina dos estudos em meio às situações enfrentadas por moradores de comunidades do Rio.

“Não é só ‘estudar que passa’ quando tem um caveirão na porta da favela impedindo você de se concentrar nos livros”, afirma a estudante.

A jovem não planejava entrar no Ensino Superior até estudar com os professores do UniFavela. Neste ano, ela tenta uma vaga em Psicologia para retornar ao projeto futuramente.

Para o fundador do projeto, Laerte Breno, a transformação atinge, também, as famílias dos estudantes.

“Eu choro quando eu vejo eles aprovados. É gratificante estar naquele universo acadêmico que é de direito deles nesse lugar que é socialmente distante. As famílias se sentem abraçadas, nos dão retorno, é além da sala de aula. Cria laços”, conclui o professor.

Fonte: G1

Deixe seu comentário