Profissionais recebem pizza e mensagens escritas à mão durante plantão em hospital de Sobral, no Ceará

Ao receber o entregador de delivery com o jantar que havia pedido, o médico coordenador da unidade Covid-19 do hospital foi surpreendido com pizzas e mensagens enviadas de forma espontânea por um restaurante.

Foto: Reprodução/ Internet Profissionais da Santa Casa de Sobral recebem pizza e refrigerante, de surpresa, durante plantão.
Profissionais da Santa Casa de Sobral recebem pizza e refrigerante, de surpresa, durante plantão.

Não existe plantão tranquilo em uma UTI para pacientes com a Covid-19. Mas um gesto de atenção e carinho aos profissionais pode amenizar as tormentas dessa rotina intensa para os dois lados da luta. É o que conta Mauro Rios, médico coordenador da UTI Covid-19 da Santa Casa de Misericórdia de Sobral, no Ceará, que recebeu pizzas doadas por um restaurante para quem estava trabalhado na noite desta quarta-feira (20). Junto com a comida, mensagens escritas à mão agradeciam pelo cuidado dedicado dos profissionais.

"Ficaram muito felizes, se sentiram reconhecidos, ninguém esperava. Até os pacientes ficaram felizes", comentou o Dr. Mauro Rios, que estava de plantão na UTI pediátrica na noite desta quarta, mas é responsável por coordenar a equipe de tratamento à Covid-19 na Santa Casa. Ao receber o entregador de delivery com o jantar que havia pedido, Rios foi surpreendido com as pizzas enviadas de forma espontânea pelo restaurante.

"Achei nobre a atitude, tinham várias pizzas e refrigerantes, com cartinha, mensagem escrita à mão", completou.

Os profissionais atuando nos cuidados aos pacientes diagnosticados com o coronavírus ficam em área isolada do hospital. Segundo Rios, chegam a permanecer cerca de seis horas sem ir ao banheiro, beber água ou se alimentar.

Na hora do intervalo, eles precisam retirar todos os equipamentos de proteção utilizados na rotina de cuidados para acessar a área classificada como "limpa" do hospital, onde fazem as refeições. Local para onde as pizzas e refrigerantes foram levados após passarem por desinfecção, disse o médico.

'Nada é suficiente para agradecer'

Segundo Rios, a UTI do hospital está lotada e a maioria dos pacientes em estado crítico. Para ele, o trabalho feito pelos profissionais é "por amor" e "não por reconhecimento".

"Não existe plantão tranquilo na UTI Covid. São pacientes muito críticos, cheios de comorbidades, que precisam de cuidados intensos, com uma rotina diferente... quem aceita o desafio não tá por reconhecimento não, é por amor mesmo, eles são guerreiros e no dia a dia a gente vai vencendo, de batalha em batalha, a gente vai vencer", comentou.

O médico também lembrou a importância de cuidar da saúde mental dos profissionais.

"A gente tem que dar todo esse conforto pra eles, e pra dar esse conforto eu preciso tá bem. Não adianta eu tá psicologicamente abalado porque não vou conseguir ajudar nenhum paciente."

E como gestos de carinho ao trabalho dos profissionais podem impactar positivamente na rotina.

"O impacto maior é na saúde mental, na saúde emocional, porque todos nós temos medo. Esses gestos mostram pra eles o quanto são importantes, eles se sentem protegidos, agradecidos, e é o mínimo que se possa fazer. Acho que nada que a gente possa fazer pra quem tá trabalhando na linha de frente é o suficiente pra agradecer", afirmou.

Rios ainda ressaltou a importância do trabalho dos técnicos de enfermagem na unidade. Maior parte da equipe é composta por eles, com 28 técnicos, seis enfermeiros e 12 médicos atuando diretamente na UTI Covid da Santa Casa de Sobral.

"Principalmente os técnicos de enfermagem, eles são muito próximos do paciente, eles que banham, dão aquele carinho, trocam a roupa, alimentam, então eles estão muito próximos dos pacientes. Agradecer ao pessoal da enfermagem, eles que são os maiores guerreiros nessa batalha", frisou.

Fonte: G1 CE

Deixe seu comentário