Relator da reforma tributária na Câmara quer aprovar texto na comissão em outubro

O relator da tributária tem conversado com empresários a respeito do tema.

Foto: Reprodução \ Web O deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) durante a instalação da comissão especial que analisará a reforma tributária
O deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) durante a instalação da comissão especial que analisará a reforma tributária

O deputado federal Aguinaldo Ribeiro(PP-PB) vai apresentar nesta terça-feira (13) o plano de trabalho da reforma tributária na comissão especial da Câmara, que vai iniciar a discussão da matéria.

Aguinaldo é o relator da proposta na comissão. Ao blog, ele afirmou que a ideia é aprovar o relatório no colegiado em meados de outubro.

"Estou finalizando o calendário para apresentar. A ideia é combinar o timing de votação com Maia [presidente da Câmara dos Deputados] para entregar ainda neste ano a votação no plenário. Na comissão, a previsão é aprovar em meados de outubro. O ideal seria entregar ao Senado a tributária quando eles finalizarem a Previdência", disse o deputado ao blog.

Aguinaldo tem conversado com especialistas, economistas e parlamentares nos últimos dias para fechar um texto que facilite a aprovação do projeto.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem repetido que a tributária será mais difícil do que a reforma da Previdência e, por isso, será preciso um maior esforço de diferentes setores da sociedade para aprovar a proposta.

Na semana passada, Maia discutiu a reforma tributária com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Ficou acertado que o relatório da Câmara unificará propostas. O texto em discussão tem como base ideias do economista Bernard Appy.

Maia quer esforço dos governadores, principalmente do Nordeste (maioria de oposição), para aprovar a proposta.

O relator da tributária tem conversado com empresários a respeito do tema. Tem ouvido que a Previdência era a "mais urgente das propostas", mas a tributária a "mais importante".

Fonte: G1

Deixe seu comentário