Sem acordo por dívida de Gerson, empresa pede penhora de R$ 11 milhões da venda de Pedro

MPI cobra na Justiça sua parte na negociação feita em 2015 com a Roma. Magistrada Flavia Justos, da 38ª Vara Cível do Rio, ainda não tomou decisão sobre solicitação

Foto: Reprodução \ Internet Sem acordo por dívida de Gerson, empresa pede penhora de R$ 11 milhões da venda de Pedro
Sem acordo por dívida de Gerson, empresa pede penhora de R$ 11 milhões da venda de Pedro

O Fluminense recém vendeu Pedro e terá de lidar com o risco de não receber todo o valor combinado com a Fiorentina. A MPI S.à r.l., uma empresa sediada em Luxemburgo, pediu na Justiça do Rio de Janeiro o bloqueio de R$ 11.823.396,30 referentes à negociação do então camisa 9 tricolor. Trata-se de 32,3% do total a ser arrecadado pelo time das Laranjeiras.

A solicitação ainda não foi analisada pela juíza Flavia Justos, da 38ª Vara Cível do Rio. A tendência é de que uma decisão seja proferida ainda nesta semana.

Desde fevereiro de 2018, a MPI tenta na Justiça receber o que tinha direito na venda de Gerson - feita em 2015 pelo então presidente Peter Siemsen e com Mário Bittencourt, atual mandatário, no cargo de vice de futebol. A empresa tinha 12,5% dos direitos do meia e jamais recebeu qualquer repasse. O GloboEsporte.com noticiou o caso inicialmente em março de 2018, quando a dívida estava em R$ 4,9 milhões.

Em julho de 2019, em nova reportagem, o GloboEsporte.com mostrou que o débito havia subido para R$ 9,5 milhões por conta de multa e juros. Na época, a magistrada Flavia Justos havia determinado o pagamento já que o problema não havia sido solucionado na administração de Pedro Abad - há, aliás, outros três processos de mesma natureza, com outros credores, que, à época, totalizaram R$ 18 milhões.

Logo após assumir o cargo, o presidente Mário iniciou uma série de tentativas para evitar penhoras por conta de dívidas antigas. Com a MPI, em julho, houve concordância, aceita pela Justiça, para suspender o processo por 30 dias. Era uma tentativa de alcançar consenso sobre o parcelamento do valor devido.

Como as partes não conseguiram chegar a acordo, a defesa de MPI fez uma petição no último dia 2 de setembro. Nela, além de informar a impossibilidade do acordo, informou que o Flu vendeu Pedro e pediu o bloqueio de R$ 11.823.396,30 (valor novamente atualizado por multa e juros) especificamente da negociação.

O Fluminense vendeu Pedro no dia 31 de agosto. Pelo acordo, a Fiorentina desembolsará um total de € 11 milhões (R$ 50,2 milhões). Deste valor, o Tricolor ficará, inicialmente, com € 8 milhões (R$ 36,5 milhões) e o restante ficará com a Artsul, clube-empresa de Nova Iguaçu que divida de forma igualitária (50% e 50%) os direitos econômicos do jogador de 22 anos.

O negócio ainda poderá render uma quantia futura ao Flu. Isso porque os italianos concordaram com a exigência do clube de Laranjeiras de manter 20% dos direitos econômicos do centroavante. Tricolor e Artsul acordaram dividir o valor obtido em uma futura venda.

Fonte: Globo Esporte

Deixe seu comentário