Separatismo catalão organiza protesto antes do veredicto contra seus líderes

Principais líderes do movimento separatista estão presos ou em outro país, e as discrepâncias se multiplicam internamente sobre que estratégia a seguir.

Foto: Reprodução \ Web Imagem de 2018 de manifestação pró-independência da Catalunha em Barcelona
Imagem de 2018 de manifestação pró-independência da Catalunha em Barcelona

Como em todo 11 de setembro desde 2012, o separatismo da Catalunha prepara uma manifestação que colocará em teste um movimento que se encontra dividido, a poucas semanas da sentença contra seus dirigentes pela tentativa de secessão de 2017.

Dois anos depois de organizar um referendo ilegal de autodeterminação e proclamar uma efêmera república catalã, o separatismo mantém o poder regional, mas meio sem rumo.

Seus principais líderes estão presos ou no exterior e as discrepâncias se multiplicam internamente sobre que estratégia a seguir.

Decepção com o movimento

O protesto já está marcado para a tarde de quarta-feira (11) na Plaza España, em Barcelona, e seu lema é um lembrete para os líderes regionais: "Independência objetiva".

Nas últimas semanas, no entanto, os alarmes soaram para a diminuição da participação neste protesto organizado por ocasião do dia 11 de setembro, feriado regional da Catalunha, que nos anos anteriores havia ultrapassado um milhão de pessoas.

Muitos se dizem decepcionados com os dirigentes do movimento e resolveram se ausentar das manifestações.

Os dirigentes pedem que compareçam principalmente com a aproximação do anúncio da sentença contra os doze líderes separatistas julgados no Tribunal Supremo e que deve ser emitida em outubro.

Alguns estão há quase dois anos em prisão preventiva. Nove são processados por rebelião e correm o risco de duras penas, de até 25 anos para o ex-vice-presidente regional Oriol Junqueras.

"Por mais severa que seja a repressão, por mais dura que seja a sentença, eles não serão capazes de nos dobrar. Deixe-os ver que tomamos a iniciativa", disse em um vídeo o ex-presidente regional e líder separatista Carles Puigdemont, que se encontra foragido na Bélgica após a tentativa de secessão.

Seu lugar agora é ocupado por um fiel aliado, Quim Torra, que alertou semana passada que uma condenação levaria a "uma nova etapa até culminar a independência".

Os dois, com sua formação Juntos pela Catalunha, defendem o reinício do "confronto" com o Estado.

Por outro lado, seus aliados da Esquerda Republicana (ERC), liderados da prisão por Junqueras, promovem o diálogo com o governo espanhol e uma estratégia de moderação desde que não consigam obter uma maioria sólida para a secessão (nas últimas eleições regionais obtiveram 47% do total dos votos).

Fonte: G1

Deixe seu comentário