Setor de restaurantes critica decreto que mantém fechado estabelecimentos em Fortaleza: 'faltou consideração'

Abrasel argumenta que soube da continuidade das restrições presente no último decreto estadual pela imprensa, prejudicando estabelecimentos que já se preparavam para a flexibilização.

Foto: Reprodução/ Internet Setor de restaurantes critica decreto que mantém fechado estabelecimentos em Fortaleza: 'faltou consideração'
Setor de restaurantes critica decreto que mantém fechado estabelecimentos em Fortaleza: 'faltou consideração'

A decisão do Governo do Estado de manter a restrição do funcionamento de bares e restaurantes à noite e de barracas de praia surpreendeu o segmento de alimentação fora do lar, que esperava o seguimento do plano de retomada, e ainda repercute. Diante de prejuízos a mais por conta da preparação para a reabertura frustrada, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) no Ceará cobra diálogo mais aberto e transparente do Executivo cearense.

Em nota, o Governo do Estado afirmou que mantém “amplo diálogo” e disse que a abertura de setores observa o desenvolvimento dos índices epidemiológicos. Os casos confirmados de Covid-19 no Ceará somam 131.324, com 6.774 mortes, segundo dados da plataforma IntegraSUS, atualizada às 17h48 desta quinta-feira (9).

A decisão de voltar atrás na reabertura de bares, barracas de praia e restaurantes no turno da noite em Fortaleza foi tomada para que o Governo do estado possa avaliar mais cuidadosamente o "pequeno aumento" de indicadores relacionados ao coronavírus na capital cearense nos últimos dias, de acordo com o secretário executivo de Planejamento e Gestão e coordenador do Plano de Retomada, Flávio Ataliba.

"A Abrasel faz parte do comitê que planejou a retomada gradual e responsável das atividades. Estamos em constante contato com o Estado há meses e ainda fomos surpreendidos com essa decisão. Soubemos pela imprensa. Era para ter falado com a gente, achado uma solução conjunta. Faltou consideração”, diz Rodolphe Trindade, presidente da entidade.

Ele revela que os preparativos para a reabertura frustrada acarretam custos, tendo em vista o caráter perecível dos insumos com os quais o segmento trabalha. "Não somos como outros setores que têm insumos em estoque, trabalhamos com perecíveis. Precisamos de um tempo para nos preparar. Os estabelecimentos fizeram pedido de insumos, de EPIs, convocaram parte da mão de obra de volta, realizaram treinamentos", aponta Trindade.

Nova decisão

O presidente da Abrasel no Ceará ainda afirma não ter recebido nenhuma sinalização da possível decisão que o comitê tomará este fim de semana. "Faltam menos de 48 horas para o anúncio do novo decreto, e até o momento não temos a mínima ideia do que poderá ser divulgado. A Abrasel nunca deixará de dialogar e de alinhar com o poder público. Podemos não concordar, mas sempre respeitaremos as leis em vigor", ressalta.

Questionado, o Governo do Estado pontuou, por meio de nota, que mantém “amplo diálogo” com todos os setores envolvidos no plano de retomada e que a decisão pelo Comitê de Saúde é anunciada ao mesmo tempo para toda a sociedade. O comunicado também destacou que “a avaliação das mudanças de fases do Plano observa o desenvolvimento dos índices epidemiológicos até o prazo limite previsto nos decretos, para que a decisão seja a mais criteriosa e técnica possível, não havendo condição de se antecipar cenários sob o risco de incorreções”.

Fonte: G1 CE

Deixe seu comentário