TERESINA: Maternidade Evangelina Rosa sofre com falta de médicos e medicamentos

O pagamento dos funcionários terceirizados já está com cinco meses de atraso e muitos já pretendem deixar o quadro de atendimentos

Uma das maternidades mais conhecidas e antigas da capital piauiense está em situação precária após 42 anos de funcionamento. De acordo com o Conselho Regional de Medicina do Piauí (CRM-PI), médicos plantonistas estão ameaçando parar o atendimento de pacientes devido à falta de pagamento. No entanto, o problema não acaba aí, no início desta quarta-feira (21) a instituição foi parcialmente interditada e atenderá somente casos de alto risco.



De acordo com informações, a escala de obstetras e neonatologistas já foi reduzida, assim como a equipe de enfermagem. Uma das reivindicações da classe é justamente a falta de médicos, que impossibilita o atendimento correto das pacientes. A presidente do CRM-PI, Mírian Parente, afirmou ainda que o motivo da interdição parcial da maternidade foi para que houvesse condições de atendimento com a verba existente.



O pagamento dos funcionários terceirizados já está com cinco meses de atraso e muitos já pretendem deixar o quadro de atendimentos da Evangelina Rosa, que funciona por plantões de 12 horas com seis médicos por plantão. A decisão dos plantonistas pode prejudicar a escala de atendimentos da maternidade.



Segundo informações da CRM-PI, ainda há outro fato que compromete a continuidade de funcionamento da instituição médica, a falta de medicamentos. A informação é de que, atualmente, metade da demanda de atendimentos da maternidade é de pacientes de riscos baixo e médio, enquanto ela é, na verdade, especializada em situações de alto risco. Por conta da grande quantidade de procura de pacientes, falta equipamentos e medicamentos suficientes para atender o contingente de pessoas, muitas vezes sendo necessário esperar que cheguem suprimentos emprestados de outros hospitais.



Imagem: Reprodução/InternetMédicos ameaçam deixar maternidade por falta de pagamento(Imagem:Reprodução/Internet)Médicos ameaçam deixar maternidade por falta de pagamento


Deixe seu comentário